Síntese do Município

Dados Gerais

População estimada 2016
4.049 pessoas
Área da unidade territorial 2015
414,239 km²
Densidade demográfica 2010
9,59 hab/km²
Prefeito 2017
EDUARDO BUZZATTI

Histórico

Leia
Pejuçara Rio Grande do Sul ? RS Histórico Pejuçara, que inicialmente fora denominada de Campo do Mambuca, depois Morotim e por fim Colônia Visconde do Rio Branco, teve sua colonização iniciada em 1900, mais ou menos, cujas terras cortadas em colônias por Antônio Alves Ramos e por este vendidas aos imigrantes ou filhos de imigrantes italianos deslocados de Silveira Martins e imediações, do município de Santa Maria. Pedro Mastella, Luiz Basso, João Bergoli, Pedro Quaíni, Luiz Pieniz, Batista Zamberlan, João Loss, Batista Costa Beber, Giácomo Gianluppi e outros, foram os primeiros povoadores de Pejuçara, que na época pertencia ao município de Cruz Alta, dedicando-se quase todos, às atividades agrícolas ( alfafa, videira, milho, feijão, etc.) tendo mais tarde generalizado a cultura da cana-de-açúcar, que em conseguência, fez surgir dezenas de fábricas de aguardante. Ao lado disso, outras indústrias se estabeleceram, como olarias, moinhos, bem como diversas casas comerciais, cujas lides foram prejudicadas por salteadores que roubavam as propriedades e cometiam até assassinatos. Em Tupi-Guarani, Pejuçara significa ?Ventania? ou ?Vento Forte?. Em 1933 destaca-se a fundação do Clube Recreativo Cristóvão Colombo, sendo seu primeiro Presidente João Rosa Gobbo, em 1966 passou a chamar-se Clube Recreativo Pejuçarense. Em 19 de novembro de 1934 foi instalada a Paróquia de Pejuçara, onde tomou posse seu 1º vigário, o Padre José Spöenlin, permanecendo no cargo por 23 anos. (Paróquia São José ). Em 14 de fevereiro de 1937, as Irmãs Franciscanas de Maria Auxiliadora, provindas de Cruz Alta, fundaram uma escola para o ensino primário e profissional. Gentílico: pejuçarense Formação Administrativa Distrito criado com a denominação de Colônia Rio Branco, por ato municipal nº 38, de 18-12-1919, subordinado ao município de Cruz Alta. Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o distrito de Colônia Visconde do Rio Branco figura no município de Cruz Alta. Assim permanecendo em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII- 1937. Pelo decreto estadual nº 7199, de 31-03-1938, o distrito de Colônia Visconde do Rio Branco passou a denominar-se simplesmente Rio Branco. No quadro fixado para vigorar no período de 1939-1943, o distrito já denominado Rio Branco permanece no município de Cruz Alta. Pelo decreto-lei estadual nº 720, de 29-12-1944, o distrito de Rio Branco passou a denominar-se Pejuçara. Em divisão territorial datada de 1-VII-1950, o distrito já denominado Pejuçara permanece no município de Cruz Alta. Assim permanecendo em divisão territorial datada de 1-VII-1960. Elevado à categoria de município com a denominação de Pejuçara, pela lei estadual nº 5156, de 15-12-1965, desmembrado de Cruz Alta e Panambi. Sede no antigo distrito de Pejuçara. Constituído do distrito sede. Instalado em 15-05-1966. Em divisão territorial datada de 1-I-1979, o município é constituído do distrito sede. Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007. Alterações toponímicas distritais Colônia Visconde de Rio Branco para Rio Branco alterado, pelo decreto estadual nº 7.199, de 31-03-1938. Rio Branco para Pejuçara alterada, pelo decreto-lei estadual nº 720, de 29-12-1944. O professor Jurandir Zamberlam em seu Livro intitulado ¨Centenário da Imigração Italiana 1899 ? 1999¨ edição de 1999 ( páginas de 74 e 75 ) cita: ¨ALTERAÇÕES DE NOME E DE NÚMERO DO DISTRITO Foram diversas as denominações dadas à Colônia Italiana, região, hoje, do município de Pejuçara: Até 1898, denominava-se de Mombuca. De 1899 a 1938, Colônia Visconde de Rio Branco. Pelo Ato Municipal número 48, de 23 de janeiro de 1920, foi criado o 9º Distrito de ¨Visconde de Rio Branco¨, elevasdo a sede à categoria de Vila. O Decreto Estadual 7.199, de 31 de março de 1938, alterou o nome do Distrito¨Visconde de Rio Branco¨para ¨Rio Branco¨. O Decreto Municipal nº 6, de 20 de janeiro de 1939, alterou de 9º para 7º Distrito de Rio Branco. A partir de de 28 de maio de 1943, até o final daquele ano, passou a denominar-se de Morotim, alterando, assim, a toponímia. Junto com Rio Branco diversos distritos tiveram alterados seus nomes. O Prefeito Pacíficio Dias da Fonseca, em correspondência de 28 de maio de 1943, encaminhou ao Diretório Regional de Geografia, com sede em Porto Alegre, propondo alterar nomes dos distritos: ¨Em virtude das exigências legais que determinaram a mudança da toponímia nacional, suprindo denominações repetidas ou incovenientes, foi precedido pelos órgãos competentes de Governo Municipal um estudo no sentido de dar cumprimento às resoluções do IBGE quanto à denominação dos Distritos assim: 1º ? Cruz Alta(inalterado); 2º ? Cadeado (inalterado); 3º ? Jaciocema (ex-Benjamin Nott); 4º ? Ingaití (ex-Santa Clara); 5º ? Poropé (ex-15 de Novembro ); 6º ? Ibirub�� (inalterado); 7º ? Brenerópolis ( ex-Alfredo Brenner); 8º ? Amamberá ( ex-Santa Bárbara); 9º ? Tabapirã (ex-Pindorama, que antes se chamar Neu-Württemberg); 10º ? Morotim (Ex-Rio Branco)¨. Na mesma correspondência o Prefeito Municipal justificou porque o nome Morotim, para o 7º Distrito: ¨Morotim, pois com o nome de Rio Branco há um município na Bahia, em Minas Gerais, em Pernanbuco e no Acre. É, pois, forçoso mudar esse nome. Acontece, porém, que há um arroio próximo à vila chamado Morotim, o que significa ¨muito branco¨. Com efeito, a Vila de Rio Branco, futura Morotim, apresenta-se com essa cor, sita no alto de um horizonte de campo limpo e claro, traduzível pelo topônimo Morotim¨. Por mais de 6 meses todas as correpondências e notícias de Jornais referiam ao 7º Distrito como Morotim ( ex-Rio Branco). Contudo o Decreto Lei Estadual nº 720, de 29 de dezembro de 1944, altera o nome para Pejuçara, que em língua tupi-guarani significa caminho das palmeiras, como 7º Distrito de Cruz Alta. ¨

Economia

Educação

Frota

População

Saúde

QR code
{ "codmun": "4314308" }