Aniversários dos Municípios
< Voltar
Selecionar local
Estados
Municípios
Todos
Por estado
Selecione o estado:
  • Acre
  • Alagoas
  • Amapá
  • Amazonas
  • Bahia
  • Ceará
  • Distrito Federal
  • Espírito Santo
  • Goiás
  • Maranhão
  • Mato Grosso
  • Mato Grosso do Sul
  • Minas Gerais
  • Paraná
  • Paraíba
  • Pará
  • Pernambuco
  • Piauí
  • Rio Grande do Norte
  • Rio Grande do Sul
  • Rio de Janeiro
  • Rondônia
  • Roraima
  • Santa Catarina
  • Sergipe
  • São Paulo
  • Tocantins
0 de 5570 municípios

Nenhum município encontrado.

Nenhum município encontrado.

Fotos

Não há fotos para este município

História

O Japurá, principal via de acesso ao município a que empresta o nome, foi dos primeiros rios amazonenses a ser navegado. Consta que em 1755 o ouvidor Ribeiro Sampaio em 'visita de correição das povoações', subiu o rio Japurá visitando as povoações de Santo Antônio e São Matias.
Entre os anos de 1764 e 1768 foram fundadas por Tinoco Valente as aldeias de Santo Antônio do Mapiri, São Matias e São Joaquim do Macapiri.
'Japurá' é o nome que o rio tem em território brasileiro. Segundo um cronista da época, o padre José Antônio Monteiro de Noronha, Iapurá era o nome que os índios davam a uma massa branda, negra, feita de certas frutas e que comiam com beiju e também por serem da nação Iapurá os índios que antigamente habitavam as margens do rio.
As águas do rio são límpidas, contrastando com as do Solimões que são barrentas. Há em seu leito muitas ilhas, formando dilatados estirões e paranás-mirins, preferidos pelos navegadores.É dotado de muitas praias. Numerosos lagos de barragem, formando lençóis imensos, aninham-se próximos às suas margens ou nas terras centrais, onde se abriga fauna ichtyologica variadíssima. Centenas de emissários funcionam como canais drenadores dessas depressões lacustres. O Japurá sofre os efeitos das grandes estiagens e suas alagações às vezes dão a impressão de que toda a terra está submergida.
O Japurá foi outrora habitado por numerosa tribo de índios, estando hoje quase deserto. Em 1864, o presidente do Amazonas, Adolpho Barros dizia que, à vista do que tinha sido, o Japurá estava lamentavelmente despovoado. Da foz deste rio à boca do Apapóris existiam doze choupanas com 70 índios, entre eles muitos Miranhas. Não se via mais um Passé ou Xomana, só algumas relíquias das nações Jury e Cueretu. Os Macus vagavam entre o Japurá e o Negro.
Os principais acidentes geográficos são os rios Japurá, Puruê, Apaporis, Acanauí e o paraná Boá-Boá. São importantes a fauna e a flora, com seringueiras e madeira de boa qualidade e peixes de várias espécies, como pirarucu, tambaqui e animais silvestres, como queixada, paca e veado. Há ouro no território do município e exploração autorizada de seixo.

O município de Japurá foi criado pela Lei estadual nº 96 de 19 de dezembro de 1955, com território desmembrado do ex-distrito de Maraã, do município de Tefé, compreendendo o subdistrito de Igualdade, e com sede em Vila Bitencourt, elevada então à categoria de cidade. Neste local, todavia, além das dependências ocupadas pelo 3º Pelotão de Fronteiras do Exército, quase nada mais existia. O governo municipal funcionava bem mais a jusante, na Vila de Acanauí e mais tarde, em 1976 se mudou para o local atual, a cidade de Japurá - denominada de 'Limoeiro' pelos habitantes locais.
O município foi instalado a 25 janeiro de 1956, sendo seu primeiro prefeito Elpídio Freire de Correa Lima.
Defronte à foz do rio Apapóris, afluente do Japurá, cerca de 2 Km da Vila Bitencourt, está situado um marco divisório dos limites do Brasil com a Colômbia, inaugurado a 29 de setembro de 1931. Outro marco há, à margem direita do Japurá, no lugar em que a linha geodésica Tabatinga-Apapóris atravessa a referida margem.

Fonte

Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, v. XIV - IBGE
© 2017 IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística | v4.3.40