Aniversários dos Municípios
< Voltar
Selecionar local
Estados
Municípios
Todos
Por estado
Selecione o estado:
  • Acre
  • Alagoas
  • Amapá
  • Amazonas
  • Bahia
  • Ceará
  • Distrito Federal
  • Espírito Santo
  • Goiás
  • Maranhão
  • Mato Grosso
  • Mato Grosso do Sul
  • Minas Gerais
  • Paraná
  • Paraíba
  • Pará
  • Pernambuco
  • Piauí
  • Rio Grande do Norte
  • Rio Grande do Sul
  • Rio de Janeiro
  • Rondônia
  • Roraima
  • Santa Catarina
  • Sergipe
  • São Paulo
  • Tocantins
0 de 5570 municípios

Nenhum município encontrado.

Nenhum município encontrado.

Rua Góes Calmon : Correntina, BA - [19--]
Cachoeira do Rio das Éguas : Correntina, BA - [19--]
Vista parcial da cidade : Correntina, BA - 1936
Vista parcial da cidade : Correntina, BA - [19--]
Vista parcial da cidade : Correntina, BA - [19--]
Vista parcial da cidade : Correntina, BA - [19--]

História

Sem precisar data, a tradição nos dá a conhecer que o descobrimento das minas de ouro do rio das Éguas, primitivamente chamado Rio Rico, em terras de Correntina, se deu no século XVIII. Em 1791, o padre Anacleto Pereira dos Santos, explorou aqueles sítios, em busca de ouro.
Há esse tempo, as bandeiras que rumavam para as minas goianas e mato-grossenses faziam caminho através da via fluvial do São Francisco e pelo território do atual município de Correntina, que, então, ainda integrava o de Carinhanha.
Uma dessas bandeiras, cujo chefe era o baiano Francisco José Teixeira, estando a cata de ouro e pedras preciosas, chegou até aos depósitos auríferos do rio das Éguas e deu início a exploração no ano de 1792.
Dentro em pouco, a notícia da existência do ouro correu terras, fazendo que para lá convergissem muitas pessoas, inclusive vários sertanistas da Bahia.
Surgiu, assim, o primitivo povoado com núcleos de criação para o abastecimento.
Quando já iam adiantados os trabalhos de mineração, o ouvidor de Goiás, supondo estarem essas terras sujeitas à sua jurisdição, consentiu que seus conterrâneos as invadissem. Resultou daí um encontro armado entre os invasores e os primitivos exploradores. Os goianos foram expulsos da região, surgindo, então, conflito de jurisdição entre o ouvidor da Bahia e o de Goiás. Interveio o Conselho Ultramarino, que deu ganho de causa à capitania da Bahia.
Outros mineradores, buscando ouro, vieram explorar o rio Arrojado e o rio Formoso.
Crescendo com o tempo, a povoação, ora denominada Nossa Senhora da Glória do Rio das Éguas, em 1806 passou à classe de freguesia com o mesmo nome.
Aos 15 de maio de 1866, a Lei provincial nº 973 criou o município com terras desmembradas do de Carinhanha e elevou à categoria de vila a povoação, dando-lhe o nome de Vila de Nossa Senhora da Glória do Rio das Éguas, o designando-a para sede do município recém-criando. A sua instalação ocorreu em 13 de maio de 1867. A Resolução nº 1960, de 08 de junho de 1880, treze anos após a instalação, suprimiu o município, ao mesmo tempo em que transferiu a sede da freguesia e o título de vila para o arraial do Porto de Santa Maria da Vitória, criando o município desse nome.
Em 14 de maio de 1886, a Resolução provincial número 2558, revogou a anterior, de nº 1960, restaurando o município e fazendo voltar a sede para Rio das Éguas.
Em 1888, aos 04 de maio, a Resolução provincial número 2579 suprimiu novamente o município. Esta situação perdurou por três anos, até quando o governador Doutor José Gonçalves da Silva, em 05 de maio de 1891, assinou o Ato estadual nº 319, pelo qual o município foi novamente restaurado, com sede no povoado do Rio das Éguas e o nome de Correntina.
Aos 30 de março de 1938, a vila de Correntina recebeu foros de cidade, por força do Decreto-lei nº 10724.
Atualmente, o município está constituído por dois distritos, o Sede e o distrito de São Manoel do Norte.
Gentílico dos nascidos no município: Correntinense.

Fonte

IBGE - Enciclopédia dos Municípios Brasileiros
© 2017 IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística | v4.3.18.0