Aniversários dos Municípios
< Voltar
Selecionar local
Estados
Municípios
Todos
Por estado
Selecione o estado:
  • Acre
  • Alagoas
  • Amapá
  • Amazonas
  • Bahia
  • Ceará
  • Distrito Federal
  • Espírito Santo
  • Goiás
  • Maranhão
  • Mato Grosso
  • Mato Grosso do Sul
  • Minas Gerais
  • Paraná
  • Paraíba
  • Pará
  • Pernambuco
  • Piauí
  • Rio Grande do Norte
  • Rio Grande do Sul
  • Rio de Janeiro
  • Rondônia
  • Roraima
  • Santa Catarina
  • Sergipe
  • São Paulo
  • Tocantins
0 de 5570 municípios

Nenhum município encontrado.

Nenhum município encontrado.

Fotos

Açude público em construção : Ibiassucê, BA - [19--]
Açude público em construção : Ibiassucê, BA - [19--]
Tanque para abastecimento de água potável : Ibiassucê, BA - [19--]
Mercado municipal : Ibiassucê, BA - [19--]
Prefeitura Municipal : Ibiassucê, BA - [19--]
Delegacia de Polícia : Ibiassucê, BA - [19--]
Veja mais fotos

História

Ibiassucê

Brasão desconhecido Bandeira desconhecida


Aniversário
Fundação Não disponível
Gentílico ibiassucenses
Lema
Prefeito(a) Manoel Adelino Gomes De Andrade. (PT - BA =2005/2008)
Localização

14° 15' 32' S 42° 15' 25' O14° 15' 32' S 42° 15' 25' O
Estado Bahia
Mesorregião Centro-Sul Baiano
Microrregião Guanambi
Região metropolitana
Municípios limítrofes Caetité, Lagoa Real, Rio do Antônio, Caculé
Distância até a capital 625 quilômetros
Características geográficas
Área 382,472 km²
População 9.507 hab. cont. IBGE/2007 [1]
Densidade 35,3 hab./km²
Altitude 574 metros
Clima semi-árido
Fuso horário UTC-3
Indicadores
IDH 0,659 PNUD/2000
PIB R$ 24.156.717,00 IBGE/2003
PIB per capita R$ 1.830,75 IBGE/2003
Ibiassucê[1] é um município brasileiro do estado da Bahia.

Conhecido e reconhecido pelos seus habitantes, turistas e moradores de municípios vizinhos como a capital da amizade.

Sua população estimada em 2006 era de 13.506 habitantes.

Índice [esconder]
1 História
2 Geografia
2.1 Municípios limítrofes
2.2 Vegetação
2.3 Hidrografia

História
Os primitivos habitantes da região eram índios Caetés. No século XIX, o território integrava o município de Caculé. Nessas terras desenvolveu-se a fazenda Lagoa do Cisco, propriedade de Anselmo Cruz Prates, Sebastião Figueiredo Cardo e das famílias Lima, proprietária da Casa Grande - primeira edificação do sito e onde celebrava-se as missas inicialmente-, e Gonçalves de Aguiar. Logo surgiram as primeiras casas e edificou-se a capela de São Sebastião. Formou-se o povoado São Sebastião do Cisco, situada à margem do Rio das Antas ou Jacaré e da Lagoa do Tamboril em fins do século XIX.

A sociedade local baseava-se em economia escravagista, utilizando-se de mão-de-obra forçada para a construção das primeiras edificações, para a produção agrícola e para as tarefas caseiras. Dada a fertilidade de suas terras, foram chegando famílias e o lugarejo transformou-se em povoado. Inicialmente, pertenceu ao município de Caetité a depois, com a emancipação política de Caculé, passou a se integrar àquele município, adquirindo a condição de distrito.

A denominação do vilarejo foi alterada para São Sebastião em 1920, para São Sebastião do Caetité em 1933 e voltando a São Sebastião em 1938, para finalmente ser nomeado Ibiassucê, topônimo definido pelo Decreto Estadual nº 141, de 1943. Contudo, era ainda distrito de Caculé. O povoado evoluia lentamente e a sua população ansiava pela sua emancipação política, que só veio a ocorrer em 18 de julho de 1962, pelo Decreto nº 1.724, do então governador da Bahia coronel Juracy Magalhães, desmembrando a vila do município de Caculé e conseguindo a sua municipalização.[carece de fontes?]

O município teve como primeiro chefe executivo o professor Benedito dos Santos Nascimento que foi inicialmente o responsável pela partida desenvolvimentista da sede, em seus aspectos físicos sócio-culturais.

Geografia

Municípios limítrofes
Norte: Lagoa Real
Sul: Caculé
Leste: Rio do Antônio
Oeste: Caetité

Vegetação
Há predominância de caatinga e cerrados.


Hidrografia
O principal rio que contribui para o município é o Jacaré. Outros rios, tais como o Antas também merece destaque. No perímetro urbano encontram-se três importantes lagoas que funcionam como um cartão postal da cidade: Lagoa Covas da Mandioca, Taquinho e Lagoa Tanque Grande. Barragens e açudes nos rios Jacaré e Antas auxiliam no abastecimento de água potável da cidade, bem como na irrigação.

Fonte

Wikipédia
© 2017 IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística | v4.3.41