Aniversários dos Municípios
< Voltar
Selecionar local
Estados
Municípios
Todos
Por estado
Selecione o estado:
  • Acre
  • Alagoas
  • Amapá
  • Amazonas
  • Bahia
  • Ceará
  • Distrito Federal
  • Espírito Santo
  • Goiás
  • Maranhão
  • Mato Grosso
  • Mato Grosso do Sul
  • Minas Gerais
  • Paraná
  • Paraíba
  • Pará
  • Pernambuco
  • Piauí
  • Rio Grande do Norte
  • Rio Grande do Sul
  • Rio de Janeiro
  • Rondônia
  • Roraima
  • Santa Catarina
  • Sergipe
  • São Paulo
  • Tocantins
0 de 5570 municípios

Nenhum município encontrado.

Nenhum município encontrado.

Fotos

Vista parcial da cidade : Ibiapina, CE - [19--]
Rua do Comércio : Ibiapina, CE - [19--]
Igreja de São Francisco : Ibiapina, CE - [19--]
Mercado público : Ibiapina, CE - [19--]
Praça Miguel Soares : Ibiapina, CE - [19--]
Praça Coronel Alves Soares : Ibiapina, CE - [19--]
Veja mais fotos

História

Ibiapina Ceará - CE

Histórico
O território que compõe o município de Ibiapina foi primitivamente notável reduto e aldeia do Chefe Diabo Grande, chefe da poderosa nação Tabajara, cujos domínios se estendiam no cimo da Serra Grande. Pertencia à Capitania do Piauí, passando, em 1741, à jurisdição do Ceará.

Fatos de suma importância se desenrolaram no território de Ibiapina; Pero Coelho de Souza, português de nobre família, filho dos Açores, em 1603 veio para as terras do Ceará Grande e, não resistindo à tentação de subir à Serra da Ibiapaba, conhecida como a terra da Promissão, veio ter à Ibiapina, passando pela Aldeia de Irapuan (provavelmente Viçosa).
Toda a Serra de Ibiapaba era dominada por dois poderosos e temíveis chefes indígenas: Diabo Grande e Mel Redondo.
Vários combates foram travados e, nos primeiros se sobressaía a figura de Martins Soares Moreno. Pero Coelho, tendo em vista a conquista do alto da serra combateu ferrenhamente contra Diabo Grande, cuja aldeia estava localizada no local onde hoje se ergue a cidade de Ibiapina. Pero Coelho foi quem primeiro dominou a Ibiapaba.
Após Pero Coelho, outra missão se segue. Partindo de Pernambuco os padres Luiz Figueira e Francisco Pinto foram para a Serra da Ibiapaba onde tiveram o primeiro contato com Irapuan de onde seguiram para a Aldeia de Diabo Grande, tendo-lhes servido de guia Diabo Ligeiro. Os dois missionários conseguiram dominar os silvícolas, erguer capela, fundar escola e pacificar os mais exaltados.
A Missão Jesuítica foi o ponto de partida para a fundação da futura vila de Ibiapina, que apesar das lutas constantes, extinguindo-se e renascendo, consolidou-se o domínio e a pacificação dos nativos, resultando na definitiva edificação do arruado de 1820.
Em 1833 a povoação de São Pedro de Ibiapina foi transformada em distrito de Paz.
Gentílico: ibiapinense

Formação Administrativa
Distrito criado com a denominação de São Pedro de Ibiapina, por ato provincial de 18-03-1842, subordinado ao município de São Benedito.
Elevado à categoria de vila com a denominação de São Pedro de Ibiapina, pela lei provincial nº 1773, de 23-11-1878, desmembrado de São Benedito. Sede no núcleo de São Pedro de Ibiapina. Constituído do distrito sede. Instalado em 01-07-1879.
Pela lei municipal nº 10, de 03-08-1893, e por lei estadual de 22-08-1893, são criados os distritos de Araticum, Jacaré e Mucambo, com terras desmembradas do município de Ubajara e anexados a vila de São Pedro de Ibiapina.
Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, a vila é constituída de 4 distritos: São Pedro de Ibiapina, Araticum, Jacaré e Mucambo.
Pela lei estadual nº 1279, de 24-08-1915, desmembra do município de Ibiapina os distritos de Jacaré e Araticum, sendo seus territórios anexados ao município de Ubajara.
Pelo decreto estadual nº 193, de 20-05-1931, é extinta a vila de São Pedro de Ibiapina, sendo seu território anexado ao município de São Benedito.
Elevado novamente à categoria de vila com a denominação de São Pedro de Ibiapina, pelo decreto nº 1156, de 04-12-1933.
Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, a vila é constituída de 2 distritos: Ibiapina e Mucambo.
Elevado à condição de cidade com a denominação de Ibiapina, pelo decreto estadual nº 448, de 20-12-1938. Sob o mesmo decreto é criado o distrito de Gameleira e anexado ao município de Ibiapina ex-São Pedro de Ibiapina.
No quadro fixado para vigorar no período de 1939-1943, o município é constituído de 3 distritos: Ibiapina, Gameleira e Mucambo.
Pelo decreto-lei estadual nº 1114, de 30-12-1943, o distrito de Gameleira passou a denominar-se Murereíba
Em divisão territorial datada de 1-07-1950, o município é constituído de 3 distritos: Ibiapina, Mucambo e Murereíba.
Pela lei estadual nº 1153, de 22-11-1951, o distrito de Murereíba passou a denominar-se Santo Antônio da Pindoba.
Pela lei estadual nº 2160, de 12-12-1953, desmembra do município de Ibiapina o distrito de Mucambo. Elevado à categoria de município.
Em divisão territorial datada de 1-07-1960, o município é constituído de 2 distritos: Ibiapina e Santo Antônio da Píndoba ex-Murereíba.
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 17-I-1991.
Pela lei municipal nº 42, de 04-09-1991, é criado o distrito de Alto Lindo e anexado ao município de Ibiapina.
Em divisão territorial datada de 1-06-1995, o município é constituído de 3 distritos: Ibiapina, Alto Lindo e Santo Antônio da Pindoba.
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2003.
Pela lei nº , de , é criado o distrito de Betânia e anexado ao município de Ibiapina.
Em divisão territorial datada de 2005, o município é constituído de 4 distritos: Ibiapina, Alto Lindo, Betânia e Santo Antônio da Pindoba.

Alteração toponímica municipal
São Pedro de Ibiapina para simplesmente Ibiapina alterado, pelo decreto estadual nº 448, de 20-12-1938.

História Religiosa:
Reza a história que a antiga capela dedicada a São Pedro foi construída em 1607, com a chegada do jesuíta Francisco Pinto e Luís Figueira, mas esta não deixou sinais no local. Com certeza, nova capela foi iniciada em 1875. Com o término da construção da igreja, Ibiapina, no dia 09 de agosto de 1882, é elava a categoria de paróquia, por lei provincial.
Em 24 de agosto de 1942, Monsenhor Melo iniciou a construção da nova matriz, inaugurada a 03 de outubro de 1944, faltando somente a torre. Esta foi iniciada em 1955 e concluída em 1958. A matriz passou por significativas reformas nos anos de 1983 a 1993.

Origem do topônio:
Segundo José de Alencar, no livro 'Iracema', nota, é oriundo de ibi, terra e apina, tosquear: - 'terra tosqueada'. para outros compõe-se de ibi, terra, e apina, limpa, despida de vegetação.

Fonte

IBGE
© 2017 IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística | v4.3.40