Aniversários dos Municípios
< Voltar
Selecionar local
Estados
Municípios
Todos
Por estado
Selecione o estado:
  • Acre
  • Alagoas
  • Amapá
  • Amazonas
  • Bahia
  • Ceará
  • Distrito Federal
  • Espírito Santo
  • Goiás
  • Maranhão
  • Mato Grosso
  • Mato Grosso do Sul
  • Minas Gerais
  • Paraná
  • Paraíba
  • Pará
  • Pernambuco
  • Piauí
  • Rio Grande do Norte
  • Rio Grande do Sul
  • Rio de Janeiro
  • Rondônia
  • Roraima
  • Santa Catarina
  • Sergipe
  • São Paulo
  • Tocantins
0 de 5570 municípios

Nenhum município encontrado.

Nenhum município encontrado.

Fotos

Não há fotos para este município

História

Os primeiros habitantes da região onde hoje se encontra instalado o município de Guapé, foram os indígenas da nação Cataguá.
Diogo de Vasconcelos, em sua história antiga de Minas Gerais, conta-nos que os Teremembé deslocaram-se do Jaguaribe e dividiram em duas cordas: uma que subiu o São Francisco até as nascentes (Piumhi) e outra que desceu o Paraíba até a sua foz.
Encontraram-se ambas, desirmanadas, no vale do Rio Grande ou Paraná. Travada a luta pela posse do rio, esta veio a decidir-se na foz do Sapucaí. Os vencidos transpuseram a Mantiqueira e instalaram-se no chã do Paraíba, cerca de Taubaté, e os vencedores ficaram na terra conquistada, onde se estenderam até o Rio das Mortes com o nome enfático de Catoé-aná, que significava gente boa (posteriormente Cataguá). A nação dos Cataguá, por tradição guerreira e indomável, foi por longos anos senhora da região. Os bandeirantes, evitaram os choques armados e, muito embora houvessem tentado em inúmeras oportunidades, não conseguiram civilizar os destemidos indígenas. Coube a Lourenço Castanho, fidalgo europeu, a iniciativa de dominá-los, afastando dessa forma o embaraço que ' persuadia aos outros o itinerário do Paraná'. Já tendo a sua disposição o caminho até Ibiturama, dobrou a Mantiqueira e bateu-se em conquista, vencendo-os e invadindo todo o distrito até o Araxá, por onde foi ter a serra, além do Paracatu, cujo arraial iniciou.
Por promessa de Esméria Angélica da Pureza, esposa de José Bernardes Ferreira Lara, grande proprietário local, em 1839, foi doado a São Francisco de Assis um patrimônio em terras, para sua capela. Imitaram também este gesto Felisberto Martins Arruda e Cândida Soares do Rosário. Dessas doações nasceu o arraial que mais tarde, em 1856, passou a distrito, com a designação de São Francisco Rio Grande, e, em 1920, aparecia como distrito componente do município de Dores da Boa Esperança.
Pela lei estadual 843, de 7 de setembro de 1923, foi elevado a categoria de município com o nome de Guapé.
É sede de comarca de 2ª Entrância desde 1º de julho de 1954.
O nome Guapé originou-se de uma planta da região chamada 'Guay' e que viceja nos lagos formados, em conjunto, verdadeiros caminhos sobre a água. Guaypé significava 'caminho n'água, que por corrutela, passou a 'Aguapé' e, posteriormente, Guapé.

Gentílico: Guapeense.

Formação Administrativa:
O distrito foi criado pela lei provincial nº 774, de 29 de maio de 1856 e pela lei estadual nº 02, de 14 de setembro de 1891, configurando sobre a denominação de São Francisco do Rio Grande, na 'divisão administrativa em 1911' e nos quadros de apuração do recenseamento geral de 1º-IX-1920, como componente do município de Dores da Boa Esperança.
A lei estadual nº 843, de 7 de setembro de 1923, desmembrou do município de Dores da Boa Esperança, tornando-o, sob a denominação de Guapé, sede do município deste nome, criado pela referida lei, o qual se constituiu de 3 distritos: Guapé ( ex São Francisco do Rio Grande), Araúna ( ex Araújos) e Capitólio (ex São Sebastião dos Franciscos), os dois últimos, desanexados do município de Piumhi.
O município de Guapé foi instalado em 03 de fevereiro de 1924, sendo sua sede elevada à categoria de cidade, em virtude da lei estadual nº 893, de 10 de setembro de 1925.
No quadro da divisão administrativa do Brasil, relativo ao ano de 1933, e publicado no boletim do Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio, o município que se trata continua formado pelos distritos de Guapé, Araúna, Capitólio, o mesmo se observando nos quadros territoriais datados de 31-XII-1936 e 31-XII-1937, no quadro anexo ao decreto lei estadual nº 88, de 30 de março de 1938, bem como na divisão territorial judiciário-administrativa do estado, fixada pelo decreto lei estadual nº 148, de 17 de dezembro de 1938, para vigorar no quinquênio 1939-1943.
Por força do decreto lei estadual nº 1058, de 31 de dezembro de 1943, o município de Guapé perdeu o município de Capitólio que retornou ao município de Piumhi. Assim, na divisão territorial vigente no quinquênio 1944-1948, estabelecida pelo précitado decreto lei, apenas dois distritos integram o referido município: Guapé e Araúna.

Fonte

Arquivos da Agência do IBGE de Passos/MG Prefeitura Municipal de Guapé.
© 2017 IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística | v4.3.26