Aniversários dos Municípios
< Voltar
Selecionar local
Estados
Municípios
Todos
Por estado
Selecione o estado:
  • Acre
  • Alagoas
  • Amapá
  • Amazonas
  • Bahia
  • Ceará
  • Distrito Federal
  • Espírito Santo
  • Goiás
  • Maranhão
  • Mato Grosso
  • Mato Grosso do Sul
  • Minas Gerais
  • Paraná
  • Paraíba
  • Pará
  • Pernambuco
  • Piauí
  • Rio Grande do Norte
  • Rio Grande do Sul
  • Rio de Janeiro
  • Rondônia
  • Roraima
  • Santa Catarina
  • Sergipe
  • São Paulo
  • Tocantins
0 de 5570 municípios

Nenhum município encontrado.

Nenhum município encontrado.

Fotos

Não há fotos para este município

História

Onça de Pitangui
Minas Gerais - MG

Histórico

As primeiras penetrações em terras do atual município de Onça de Pitangui, foram efetuadas por bandeirantes vindos do Estado de São Paulo. Tais bandeirantes eram chefiados por Bartolomeu Bueno. Em 1709, acamparam em um lugar alto, que fica a 2 Km ao norte da atual sede do município, que denominaram de ?Onça Acima?. Essa denominação se deve ao fato de ter sido encontrada uma pepita de ouro de uma ?onça? de peso (30 gramas), no referido lugar alto.
Conforme a notícia da presença de ouro no lugar se espalhava, iam chegando novos exploradores. Foram sendo construídas muitas casas nos locais onde ia se desenvolvendo o garimpo, principalmente às margens do córrego Água Limpa e do Córrego Seco. Posteriormente, a localidade recebeu o nome de Sant'Anna de Onça do Rio São João Acima. Sant'Anna em homenagem à padroeira da localidade e Rio São João Acima, devido ao Rio São João ser o principal rio que banhava o arraial.
Em 1928, recebeu o nome de Jaguaruna, porém em 1944 voltou a chamar-se Onça.
Em dezembro de 1962, o arraial foi emancipado recebendo o nome de Onça de Pitangui, devido sugestão do Senador Gustavo Capanema, que nasceu no arraial, no período em que a localidade pertencia ao município de Pitangui.
Tão logo o arraial se formou, seus moradores construíram uma igreja cercada de muros de pedras, que além de templo religioso, era usada também como cemitério. Os sepultamentos eram feitos na área que circundava a igreja, sendo que as pessoas de maior posição social eram sepultadas no interior da igreja. As tábuas do assoalho eram arrancadas, as pessoas eram sepultadas e os parentes marcavam o local com pregos de metal amarelo. Essas marcas indicavam os nomes, datas de nascimentos e morte, além de outras identificações.
A igreja ficou como filial do Município de Pitangui até o ano de 1850, quando o arraial foi elevado a Freguesia, recebendo então seu primeiro vigário, o padre Fernando Xavier de Souza Machado, que regeu a paróquia até o ano de 1886.
A paróquia teve como substituto o padre João Batista Dias, capelão de Pequi, que permaneceu na paróquia até 1886. Assumiu então o padre Américo Epifânio Pereira, que era coadjutor de Pitangui; logo após foi substituído pelo padre italiano Luiz Rivieco. Em 1887, foi transferido para a localidade, o padre Antônio Soares Dinis, permanecendo até 1901. Na mesma época, Monsenhor Fernando Barbosa foi licenciado e veio descansar no arraial. Encontrou a matriz demolida e fez o trabalho de reconstrução. Celebrava os atos religiosos na capela de São José, erguida no lardo, onde existia uma cruz, no início da rua do capim (nome devido a existência de casas cobertas por capim). Também concluiu os trabalhos na capela do Rosário, com a ajuda de sobrinho Fernando da Silva Barbosa, em 1909.
Monsenhor Fernando Barbosa morreu em 21 de setembro de 1941, no hospital de Pará de Minas, vitimado por um câncer de Próstata, aos 81 anos de idade.
A Cruz do Monte foi plantada em 1856, pelos missionários Frei Francisco e Frei Eugênio, capuchinhos barbados. O madeiro foi carregado por homens em procissão do mato do ?Mota? até o alto da serra, onde ainda hoje se encontra.
O capitão Bento de Oliveira foi nomeado tesoureiro e edificou uma capela cercada de muro feito de pedras. O terreno onde foi edificada a capela, foi doado pelo Senhor Bento Barbosa de Oliveira, avô do monsenhor Fernando Barbosa.
O Senhor Zico Barbosa, não poupando esforços para elevar seu berço natal, fez a ligação de Onça, com Pitangui e Pequi por rede telefônica em 1917, sendo o aparelho colocado na casa do Senhor Lino Mourão.
Em 1870, foi criada a agência de correios, vindo de Bambuí para Pitangui, tendo sido o senhor Jorge Henrique o primeiro agente postal.
O grupo escolar foi inaugurado em 1919.
A estrada de ferro foi inaugurada em 1928, com grande festa na fazenda da ?Barra?, quando lá chegaram os trilhos assentados. Nesse dia discursou, grandemente emocionado, o Senhor Zico Barbosa.

Gentílico: oncense

Formação Administrativa

O município de Onça de Pitangui foi criado pela Lei nº 2764, de 30 de dezembro de 1962, com o território desmembrado do município de Pequi.
O Arraial Novo do Onça foi o núcleo inicial da sede onde, em 1752, foi erguida uma capela dedicada a Santana.
Em 1859, o povoado era integrado ao Município de Pitangui, tendo a denominação de Onça do Rio São João, foi elevado a Freguesia, pela Lei nº 1046 (lei tida como a de criação de um distrito).
Em 1911, o distrito foi transferido para o Município de Pequi, com a denominação de Onça, mudada em 1927 para Jaguaruna. Em 1943 voltou a denominar-se Onça.
Em 1962, o povoado foi elevado à categoria de cidade, com o nome de Onça de Pitangui. Atualmente conta apenas com o município sede.

Fonte

Prefeitura de Onça de Pitangui (MG); IBGE
© 2017 IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística | v4.6.13