Aniversários dos Municípios
< Voltar
Selecionar local
Estados
Municípios
Todos
Por estado
Selecione o estado:
  • Acre
  • Alagoas
  • Amapá
  • Amazonas
  • Bahia
  • Ceará
  • Distrito Federal
  • Espírito Santo
  • Goiás
  • Maranhão
  • Mato Grosso
  • Mato Grosso do Sul
  • Minas Gerais
  • Paraná
  • Paraíba
  • Pará
  • Pernambuco
  • Piauí
  • Rio Grande do Norte
  • Rio Grande do Sul
  • Rio de Janeiro
  • Rondônia
  • Roraima
  • Santa Catarina
  • Sergipe
  • São Paulo
  • Tocantins
0 de 5570 municípios

Nenhum município encontrado.

Nenhum município encontrado.

Fotos

Não há fotos para este município

História

Pains
Minas Gerais

Histórico

A história de Pains remonta aos anos de 1721-1725, quando Bartolomeu Bueno da Silva descobre os ″fortunados mananciais″ do Rio Vermelho, à altura das nascentes do Rio Araguaia, Goiás. Nesta época começou a marcha de mineiros e paulistas para o Oeste, passando por território na província de Minas que mais tarde seriam povoados, entre eles: Pains.
Em 1767 o governo assinou 20 cartas de sesmarias para a província de Minas. Entre os sesmeiros, parentes de Inácio Corrêa Pamplona (encarregado de perseguir e dizimar os índios e ″calhambolas″ nesta região) vieram estabelecer-se nas matas do Rio São Francisco, como seu filho Padre Inácio Pamplona Corte Real, Bernardina Corrêa Pamplona (doadora do patrimônio de Iguatama) João Jose Corrêa Pamplona e outros que deram origem à família Paim Pamplona. Do costume de se falar: ″vamos à fazenda dos Paim″, originou-se o nome do município.
Em 1830, na vizinhança dos Paim Pamplona, o Capitão Manoel Gonçalves de Melo, com sua família, também adquiriu uma fazenda, a da Cachoeira. Tempos depois o Capitão doou um terreno no centro da mata de Pains para construção de uma igreja em honra a Nossa Senhora do Carmo. Esta doação juntou-se a outra, anteriormente feita por Manuel Antonio de Araújo (na fazenda dos Araujos, nasceu Ana Jacinta de São José, a famosa Dona Bêja) perfazendo quatro alqueires para a base de um povoado, ao redor da referida igreja. Em 1884 a igreja de Nossa Senhora do Carmo, hoje igreja do Rosário, ficou pronta.
Em 31 de dezembro de 1943, pelo decreto-lei número 1.058, foi obtida a emancipação política, com a elevação de Pains à categoria de município, desmembrando-se do município de Formiga, no qual incluía-se o Distrito de Pimenta, hoje também emancipado.

Formação Administrativa

Distrito criado com a denominação de Nossa Senhora do Carmo de Pains, pela Lei Provincial nº 3221, de 11-10-1884, e Lei Estadual nº 2, de 14-09-1891, subordinado ao município de Formiga.
Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o distrito de Nossa Senhora do Carmo de Pains, figura no município de Formiga.
Assim permanecendo nos quadros de apuração do recenseamento geral de 1-IX-1920.
Pela Lei Estadual nº 843 de 07-09-1923, o distrito de Nossa Senhora do Carmo tomou o nome de Pains.
Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o distrito de Pains (ex-Nossa Senhora do Carmo de Pains), figura no município de Formiga.
Assim permanecendo em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937.
Elevado à categoria de vila com a denominação de Pains, pelo Decreto-Lei Estadual nº 1058, de 12-12-1943, desmembrados dos municípios de Formiga e Piui.
Sede no antigo distrito de Pains. Constituído de 2 distritos: Pains e Pimenta o segundo desmembrado de Piui. Não temos a data de Instalação.
No quadro fixado para vigorar no período de 1944-1948, o município é constituído de 2 distritos: Pains e Pimenta.
Pela Lei nº 336, de 27-12-1948, é criado o distrito de Vila Costina (ex-povoado de Grama) e anexado ao município de Pains. E ainda pela mesma lei desmembra do município de Pains o distrito de Pimenta. Elevado à categoria de município.
Em divisão territorial datada de 1-VII-1960, o município é constituído de 2 distritos: Pains e Vila Costina.
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

Alteração toponímica distrital
Nossa Senhora do Carmo de Pains para Pains, alterado pela Lei Estadual nº 843, de 07-0-9-1923

Fonte

www.cnm.org.br
© 2017 IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística | v4.3.41