Aniversários dos Municípios
< Voltar
Selecionar local
Estados
Municípios
Todos
Por estado
Selecione o estado:
  • Acre
  • Alagoas
  • Amapá
  • Amazonas
  • Bahia
  • Ceará
  • Distrito Federal
  • Espírito Santo
  • Goiás
  • Maranhão
  • Mato Grosso
  • Mato Grosso do Sul
  • Minas Gerais
  • Paraná
  • Paraíba
  • Pará
  • Pernambuco
  • Piauí
  • Rio Grande do Norte
  • Rio Grande do Sul
  • Rio de Janeiro
  • Rondônia
  • Roraima
  • Santa Catarina
  • Sergipe
  • São Paulo
  • Tocantins
0 de 5570 municípios

Nenhum município encontrado.

Nenhum município encontrado.

Fotos

Não há fotos para este município

História

A história de Unaí encontra-se fortemente vinculada à ocupação do Centro-Oeste brasileiro, bem como ao desenvolvimento de Paracatu.
A área teve seu povoamento efetivo a partir do século XVIII, ainda que o território hoje ocupado por Paracatu já tivesse sido identificado pelos portugueses desde os primórdios da ocupação de sua colônia na América.
Ainda no século XVI, aí aportaram as expedições chefiadas por Domingos Luís Grou (1586-7), Antônio Macedo (1590), Domingos Rodrigues (1596) e Domingos Fernandes (1599). No século seguinte, registra-se a passagem das bandeiras de conquista e apresamento de indígenas de Nicolau Barreto (1602-4) e de Lourenço Castanho Taques, o Velho (1670), que atingiu terras do atual município de Unaí. Em homenagem a ele, as montanhas situadas ao norte da localidade analisada recebem a denominação de Serra do Castanho.
Quatro diferentes caminhos que conduziam aos sertões de Goiás se encontravam no atual território paracatuense e daí seguiam como uma só estrada: o denominado de Picada de Goiás, o de Pitangui ao citado Estado, o que passava por São Romão e o que permitia atravessar o Rio São Francisco, perto da barra do Abaeté. No local onde se reuniam, formou-se inicialmente um pequeno núcleo populacional, com algumas casas que forneciam abrigo e alimentação aos viajantes, em época anterior à descoberta das minas na região.
O bandeirante Felisberto Caldeira Brant e seus irmãos teriam dado a notícia do achado das riquezas auríferas dos sertões do Paracatu ao então governador das Minas Gerais, Gomes Freire de Andrada, em 24 de junho de 1744. Em seguida, foram distribuídas diversas sesmarias na área, para povoamento e, segundo se dizia à época, para defesa daquelas terras contra o gentio bravo. Assim, surgiram fazendas de criação de gado, cuja atividade abastecia as partes do território onde se explorava o ouro.
O arraial de Paracatu foi elevado à Vila de Paracatu do Príncipe em 20 de outubro de 1798, dependente da Comarca do Rio das Velhas. Sua própria comarca foi criada em 1815, passando a localidade à categoria de cidade em 1840.
Já no século XIX, o fazendeiro Domingos Pinto Brochado teria chegado a uma área então pertencente a Paracatu, aí se instalando com familiares, outros parentes e escravos. Com eles estava o padre Antão José da Rocha. Outras famílias, como a de Rodrigues Barbosa e a de Clemente José Souto também se estabeleceram nas imediações, surgindo um povoado perto do Rio Preto (chamado Capim Branco), que mais tarde daria origem à atual sede municipal de Unaí. Em 1873, esse povoado foi elevado à categoria de distrito, sob a denominação de Rio Preto. Em 1879 implantou-se a primeira igreja, em homenagem a Nossa Senhora da Conceição. Sabe-se também que o primeiro estabelecimento de ensino foi a atual Escola Estadual Domingos Pinto Brochado, que teve Teófilo Martins Ferreira como primeiro professor e Maria Torres como diretora.
De acordo com o historiador Olympio Gonzaga, em 1910 o município de Paracatu contava com 51 227 km2 e uma população de 60 000 pessoas, compondo-se dos distritos de Água Fria, Alegres, Buritis, Cana Brava, Catinga, Formoso, Guarda-Mor, Lajes, Morrinhos e Rio Preto, além do distrito-sede.
Em 1923 o nome do distrito de Rio Preto foi alterado para Unaí (topônimo de origem indígena, que significa Águas Escuras), passando então o povoado, antes Capim Branco, a receber o nome do rio que banha a área.
O distrito de Unaí se emancipou em 31 de dezembro de 1943.

Formação Administrativa

Distrito criado com a denominação de Rio Preto pela Lei Provincial n.º 1.993, de 13-11-1873, e pela Lei Estadual n.º 2, de 14-09-1891, subordinado ao município de Paracatu.
Em divisão administrativa referente ao ano de 1911 o distrito de Rio Preto figura no município de Paracatu. Assim permanecendo nos quadros de apuração do Recenseamento Geral de 1-IX-1920.
Pela Lei Estadual n.º 843, de 07-09-1923, o distrito de Rio Preto tomou o nome de Unaí.
Em divisão administrativa referente ao ano de 1933 o distrito de Unaí figura no município de Paracatu. Assim permanecendo em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937.
Elevado à categoria de município com a denominação de Unaí pelo Decreto-lei Estadual n.º 1.058, de 31-12-1943, sendo desmembrado de Paracatu e São Romão. Sede no antigo distrito de Unaí. Constituído de 5 distritos: Unaí, Garapuava, Buritis, Fróis e Serra Bonita. Não temos a data de instalação.
Em divisão territorial datada de 1-VII-1950 o município é constituído de 5 distritos: Unaí, Buritis, Fróis, Garapuava e Serra Bonita. Assim permanecendo em divisão territorial datada de 1-VII-1960.
A Lei Estadual n.º 2.764, de 30-12-1962, desmembra do município de Unaí os distritos de Buritis e Serra Bonita, para formaremo novo município de Buritis. A mesma Lei desmembra do município de Unaí o distrito de Fróis, elevando-o à categoria de município com a denominação de Bonfinópolis de Minas. Ainda por essa Lei foram criados os distritos de Cabeceira Grande e Santo Antônio do Boqueirão.
Em divisão territorial datada de 31-XII-1963 o município é constituído de 4 distritos: Unaí, Cabeceira Grande, Garapuava e Santo Antônio do Boqueirão. Assim permanecendo em divisão territorial datada de 1991.
Pela Lei Municipal n.º 1.363, de 17-11-1991, é criado o distrito de Uruana e anexado ao município de Unaí.
Pela Lei n.º 1.382, de 22-11-1991, é criado o distrito de Palmeirinha e anexado ao município de Unaí.
Em divisão territorial datada de 1991 o município é constituído de 6 distritos: Unaí, Cabeceira Grande, Garapuava, Palmeirinha, Santo Antônio do Boqueirão e Uruana.
A Lei Estadual n.º 12.030, de 21-12-1995, desmembra do município de Unaí os distritos de Cabeceira Grande e Uruana de Minas, elevando-os à categoria de município.
Pela Lei n.º 1.775, de 15-10-1999, é criado o distrito de Ruralminas e anexado ao município de Unaí.
Em divisão territorial datada de 1999 o município é constituído de 5 distritos: Unaí, Garapuava, Palmeirinha, Ruralminas e Santo Antônio do Boqueirão.
Pela Lei n.º 2.219, de 12-07-2004, é criado o distrito de Pedras de Marilândia e anexado ao município de Unaí.
Em divisão territorial datada de 2005 o município é constituído de 6 distritos: Unaí, Garapuava, Pedras de Marilândia, Palmeirinha, Ruralminas e Santo Antônio do Boqueirão. Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2014.

Fonte

Unaí (MG). Prefeitura. 2015. Disponível em: http://www.prefeituraunai.mg.gov.br/pmu/index.php/2012-12-21-16-56-25/aspectos-historicos.html. Acesso em: ago. 2015.
© 2017 IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística | v4.3.32