Aniversários dos Municípios
< Voltar
Selecionar local
Estados
Municípios
Todos
Por estado
Selecione o estado:
  • Acre
  • Alagoas
  • Amapá
  • Amazonas
  • Bahia
  • Ceará
  • Distrito Federal
  • Espírito Santo
  • Goiás
  • Maranhão
  • Mato Grosso
  • Mato Grosso do Sul
  • Minas Gerais
  • Paraná
  • Paraíba
  • Pará
  • Pernambuco
  • Piauí
  • Rio Grande do Norte
  • Rio Grande do Sul
  • Rio de Janeiro
  • Rondônia
  • Roraima
  • Santa Catarina
  • Sergipe
  • São Paulo
  • Tocantins
0 de 5570 municípios

Nenhum município encontrado.

Nenhum município encontrado.

Fotos

Não há fotos para este município

História

A história refere-se a presença dos portugueses em solo paranaense em 1545 em Superagui e entre 1550 e 1560 na Ilha da Cotinga. Posteriormente, na intenção de capturar índios para escravizá-los, portugueses, vindos do litoral paulista, chegaram à Baía de Guaraqueçaba e ali descobriram ouro nos rios Ribeira, Açungui e Serra Negra; fixaram-se na região, iniciando as atividades de mineração no Brasil.
Em 1614, Diogo de Unhatte, tabelião da ouvidoria de São Vicente, obteve de Pero Cubas a sesmaria denominada Paranaguá, localizada entre os rios Ararapira e Superagui, atual município de Guaraqueçaba. O povoamento mais efetivo, pelos europeus, se deu no século XVII, através do capitão-mor Gabriel de Lara.
Os missionários jesuítas, vindos de Cananéa fundaram no porto de Superagui, um estabelecimento agrícola e ao mesmo tempo religioso, para facilitar a catequese, visto que a população estava disseminada ao longo dos rios. Em 1838, Cypriano Custódio de Araújo e José Fernandes Corrêa construíram uma capela no morro de Guitumbé, sob a invocação do Senhor Bom Jesus dos Perdões. Em torno da Capela foram surgindo habitações e, em pouco tempo, nascia um povoado, elevado à freguesia em 1854, mas somente gozando do predicamento de vila, no ano de 1880.
Em meados do século XIX, muitos imigrantes europeus, principalmente suíços, italianos e franceses, instalaram-se em Superagui, onde desenvolveram agricultura com uso de canais de irrigação. Produziram arroz, uva para fabricação de vinho, café e mandioca. A vila de Guaraqueçaba progredia no continente. As duas primeiras décadas do século XX foi o período da maior prosperidade em Guaraqueçaba, quando navios carregados de banana e madeira faziam linhas até Argentina e Paraguai. Nessa época, agricultores paulistas, em busca de terras férteis e baratas, criam as comunidades de Pedra Chata e Batuva.
Mas, a crise ocorrida em 1929, refletiu também na região, causando dificuldades na economia agrícola, uma vez que era quase que totalmente voltada à exportação. Na década de 1940, alemães chegam a Serra Negra e Rio Bananal, instalando-se nessa região. As comunidades de Rio Verde e Rio Guaraqueçaba funcionavam como intermediárias à comercialização da banana, originaria da comunidade do Batuva, rio acima.
Nos anos 1950, instalaram-se as primeiras fábricas de palmito e muitos agricultores migraram para o corte de palmito, diminuindo assim, o uso de parcelas de terra para agricultura. Com a abertura da rodovia ligando Guaraqueçaba a Antonina, única via de acesso terrestre à região, um novo processo de ocupação foi iniciada. O governo federal liberou créditos subsidiados e reduziu impostos para quem quisesse cultivar café, palmito e criar búfalos. Assim, muitos abriram suas áreas, venderam as madeiras, introduziram o búfalo (que degradou as florestas de planície) e não produziram, nem manejaram o café e o palmito.
Somente nos anos 1980 reconheceu-se que o estímulo dado às atividades agrícolas convencionais sem fiscalização, acarretou a degradação e a acelerada descaracterização ambiental da região, assim como o empobrecimento gradual da população que ali morava, secularmente.
A partir de então, valorizou-se a região de Guaraqueçaba procurando resguardá-la do uso indiscriminado, criando-se algumas Unidades de Conservação na intenção de disciplinar e orientar as atividades e valorizar o patrimônio natural existente.
O topônimo é de origem indígena e significa: GUIRÁ – a ave, a garça e QUIABA – o sítio do seu pouso, o local dos seus ninhos.

Formação Administrativa

Freguesia criada com a denominação de Guaraquessaba, por Lei Provincial n.º 5, de 01-08-1854, subordinado ao município de Paranaguá.
Elevado à categoria de vila com a denominação de Guaraquessaba, por Lei Provincial n.º 557, de 11-03-1880, desmembrado de Paranaguá. Constituído do distrito sede. Instalado em 25-12-1880.
Em divisão administrativa do Brasil referente ao ano de 1911, o município é constituído do distrito sede.
Em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937, o município figura com 3 distritos: Guaraquessaba, Ararapira e Superagui.
Pelo Decreto-lei Estadual n.º 7.573, de 20-10-1938, o município de Guaraquessaba foi extinto, sendo seu território anexado ao município de Paranaguá.
No quadro fixado para vigorar no período de 1939-1943, o distrito de Guaraquessaba figura no município de Paranaguá.
Elevado novamente à categoria de município com a denominação de Guaraqueçaba, por Lei Estadual n.º 2, de 10-10-1947, desmembrado de Paranaguá. Sede no antigo distrito de Guaraqueçaba. Constituído do distrito sede. Reinstalado em 31-10-1947.
Pela Lei Estadual n.º 790, de 14-11-1951, é criado o distrito de Serra Negra e anexado ao município de Guaraqueçaba. Sob a mesma lei o distrito de Ararapira é incorporado ao município de Guaraqueçaba, desmembrado de Paranaguá.
Em divisão territorial datada de 1-VII-1960, o município é constituído de 3 distritos: Guaraqueçaba, Ararapira e Serra Negra.
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2017.

Fonte

Guaraqueçaba (PR). Prefeitura. Disponível em: https://www.guaraquecaba.pr.gov.br/?meio=614. Acesso em: jun. 2017.
© 2017 IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística | v4.3.40