Aniversários dos Municípios
< Voltar
Selecionar local
Estados
Municípios
Todos
Por estado
Selecione o estado:
  • Acre
  • Alagoas
  • Amapá
  • Amazonas
  • Bahia
  • Ceará
  • Distrito Federal
  • Espírito Santo
  • Goiás
  • Maranhão
  • Mato Grosso
  • Mato Grosso do Sul
  • Minas Gerais
  • Paraná
  • Paraíba
  • Pará
  • Pernambuco
  • Piauí
  • Rio Grande do Norte
  • Rio Grande do Sul
  • Rio de Janeiro
  • Rondônia
  • Roraima
  • Santa Catarina
  • Sergipe
  • São Paulo
  • Tocantins
0 de 5570 municípios

Nenhum município encontrado.

Nenhum município encontrado.

Fotos

Não há fotos para este município

História

Paiçandu
Paraná - PR

Histórico

Em 1948, teve início, por iniciativa planejada da Companhia de Terras Norte do Paraná, a formação da Gleba Paiçandu entre outras. As perspectivas de progresso atraíam moradores dos mais diferentes pontos do país. O comércio prosperava de forma acentuada com a instalação de armazéns e mercadorias em geral. A boa qualidade das terras deram início às primeiras produções agrícolas, principalmente a cultura do café.
O indígena que vivia no Norte do Paraná, vivia em ordem como a paisagem e pertencia à terra como a água pertence ao rio. Acredita-se nos mitos, nas lendas e nas histórias dos seus ancestrais, de acordo com a harmonia cósmica, em completa inter-relação com a fauna e flora.
No ventre da natureza e pela ação do homem, são criados e paridos os mitos, a idéia primitiva dos deuses e a existência de criaturas divinas, humanas e fantásticas.
O Brasil como um todo, tem um potencial místico em sua etno-história e na sua arqueologia.
Diferente do mito, a lenda é uma narração de vestuário suntuoso e fantástico, que sempre tem uma ponta de verdade.
Foi assim que surgiu Paiçandu, em uma das versões, uma lenda: ?Pai 'Çandu'?.
A lenda é propriedade de regiões e comunidades, transmitida por gerações e gerações, sempre em forma oral. Elas podem ser consideradas um repositório de ditos, crenças, superstições e temores que animam a cosmologia dos povos.
De origem tupi-guarani ?I-páu-zan-du? - Ilha do Padre ou Ilha do Pai.
Os primeiros habitantes de Paiçandu foram índios e caboclos, onde havia aqui um famoso curandeiro de nome
?Çandu', aliás muito respeitado, que realizava curas extraordinárias. Este poder começou a atrair numerosas pessoas de Maringá e arredores, aumentando assim, pouco a pouco, a sua população.
Em geral, os curandeiros eram chamados de PAI, donde se originou a denominação Pai ?Çandu?.
Numa outra versão, Paiçandu é topônimo da cidade uruguaia (Paysandu), sendo nome de uma fortaleza onde travou-se importante batalha na Guerra do Uruguai, nesta época comandava o corpo de ataque do Brasil, naquele setor, o Almirante Tamandaré e o Marechal Procópio Menna Barreto, os quais forçaram sua rendição a 2 de janeiro de 1865, em batalha decisiva no panorama político continental daquela época. Deu-se assim a denominação ao município em homenagem àquele histórico episódio.
Entre os anos de 1938 e 1940, a área de terra onde achava plantado o Município de Paiçandu era um sertão inóspito habitado por índios e caboclos, pois havia um pequeno cemitério que era o ponto de referência na densa mata virgem, onde eram enterrados os que morriam naquela época.
No período de 1942 a 1944, começaram a surgir os primeiros desbravadores de Minas Gerais e de São Paulo, atraídos pela fertilidade das terras próprias para o café, que na época do desbravamento se constituíam na maior fonte de riqueza da região. Enfrentando toda espécie de dificuldades, corajosamente adentravam ao sertão através de ?picadas?, construíam seus rústicos ranchinhos e com tenacidade e vigor formavam pequenas lavouras.
Por volta de 1948, teve início em nossa cidade de Paiçandu, a obra colonizadora, pela empresa Companhia Melhoramentos Norte do Paraná, e a formação das glebas como Paiçandu, Colombo, Bandeirantes, Chapecó e outras.
Os trilhos que foram alicerçando o povoado chegaram a Apucaran em 1943, a Maringá e Paiçandu em 1954 e até Cianorte em 1973.

Fonte

IBGE
© 2017 IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística | v4.3.26