Aniversários dos Municípios
< Voltar
Selecionar local
Estados
Municípios
Todos
Por estado
Selecione o estado:
  • Acre
  • Alagoas
  • Amapá
  • Amazonas
  • Bahia
  • Ceará
  • Distrito Federal
  • Espírito Santo
  • Goiás
  • Maranhão
  • Mato Grosso
  • Mato Grosso do Sul
  • Minas Gerais
  • Paraná
  • Paraíba
  • Pará
  • Pernambuco
  • Piauí
  • Rio Grande do Norte
  • Rio Grande do Sul
  • Rio de Janeiro
  • Rondônia
  • Roraima
  • Santa Catarina
  • Sergipe
  • São Paulo
  • Tocantins
0 de 5570 municípios

Nenhum município encontrado.

Nenhum município encontrado.

Não há fotos para este município

História

Tupanciretã
Rio Grande do Sul - RS

Histórico

Segundo Manoelito de Ornellas: 'não há terra que não tenha, a parte de sua história, a ressaltar dentre o canhenho cronológico dos fatos, uma lenda, um motivo misterioso, que a crendice popular às vezes cria e a tradição consagra.'
Tupanciretã, que tem um passado com raízes profundas na vida missioneira, não podia escapar à fatalidade dessa contingência. O seu nome, Tupan-ci-retan, encerra uma lenda. Todas as reduções jesuíticas foram batizadas com nomes de santos da igreja católica apostólica romana. Aqui, porém, os jesuítas invocaram o nome da mãe de deus e o fizeram na língua bárbara, com a denominação pitoresca de Tupan-ci-retan.
A fazenda jesuítica apenas assinalada pela capelinha tosca, já existia no alto de um coxilhão deserto, e as árvores do mato crioulo, à tarde, projetavam-lhe sombra larga das suas ramarias. Ao lado, sob o amparo de uma cruz modesta, mal resistia a fúria das tempestades, um rancho pobre, coberto de palha, que tinha a finalidade amiga de acolher os poucos viandantes que por ali passavam. O local nada mais era do que um posto de São João. Dentro da capelinha, tão pobre como esquecida, apenas uma imagem tosca enfeitava a tábua erguida como altar. Era uma imagem da madona dos céus, da senhora dos crentes.
Um dia, em que pelos caminhos mal delineados da serra, passavam um missionário e alguns poucos índios, uma tempestade os colheu nas proximidades do planalto da coxilha grande. A noite chegava, e com ela o pânico e o terror. Quando a desorientação desesperava o padre e os poucos índios companheiros, um relâmpago lhes mostrou na fímbria do horizonte, em plena noite, um vulto mal definido. A silhueta que os relâmpagos mostravam, perto, era a imagem da madona exposta ao furor da tempestade, que arrebatara da capela pequenina a cobertura frágil. O sacerdote, cheio de alegria cristã, exclamou: 'tupan-ci', e os índios, aterrorizados, repetiram: 'tupan-ci-retan', que na língua indígena quer dizer: tupan= deus, cy= mãe, e retan = terra, ou seja 'terra da mãe de deus'
Tupanciretã era povoado pelos índios charruas e minuanos, posteriormente por elementos de origem polonesa.
Com a fundação das Missões, em fins do século XVII, foi estabelecido que os índios ficassem numa Fazenda Jesuítica, no planalto da coxilha grande, onde nascem os cursos de água de Caneleira, Buracos e Ijuizinho que ficou pertencendo à redução de São João e possuía uma capela, currais e arvoredos frutíferos. Batidos os estrangeiros na luta pela posse das Missões e com a retirada dos Jesuítas em 1801, os índios venderam os rincões da fazenda, consumindo seus gados, e se retiraram, deixando muita terra em mãos de grandes fazendeiros, que mais tarde emanciparam o município. Com a Lei de 21 de outubro de 1843 a fazenda foi incorporada aos próprios nacionais (Fazenda Nacional), mas os que já estavam de posse da mesma, não estiveram de acordo por considerarem-se seus legítimos proprietários.
Surge então o Dr. Hemetério José Veloso da Silveira, para advogar a causa de Alexandre Jacinto da Silva e João Nunes da Silva, que, ocupando a região da antiga fazenda, consideravam-se legítimos proprietários dela, tendo ganho de causa. Os sócios João Nunes da Silva e Alexandre Jacinto da Silva, que em 1857 dissolveram a sociedade, deixaram a estância abandonada.
Mais tarde os herdeiros a venderam a diversos compradores, constando que já em 1835 moravam na região Albino José da Silveira e Ana Maria de Jesus, pais de Antônio José da Silveira. Este vislumbrou para o local, onde hoje situa-se Tupanciretã, um desenvolvimento promissor e com despreendimento determinou que na sua propriedade fosse feito um levantamento de área destinada à futura povoação. Era o ano de 1894. Não viveu Antônio José da Silveira para ver, 34 anos depois Tupanciretã emancipada.
A 20 de setembro de 1894, após a inauguração da Estrada de Ferro Santa Maria-Cruz Alta, os revolucionários localizaram o lugar onde está situada Tupanciretã, numa estação intermediária. Esta iniciativa despertou o interesse de muitos, que apostaram na terra moça a possibilidade de futuro promissor na lavoura e na pecuária. Começaram a chegar os primeiros habitantes, a margem que dividia Tupanciretã pelo centro, de um lado Cruz Alta do outro Júlio de Castilhos, começaram a pontilhar os primeiros ranchos e casas. O comércio e a evolução.
Após a emancipação, o município passou a ter perfil econômico muito satisfatório com grandes estâncias, mas com o passar do tempo com a atividade pecuária sofrendo problemas devido a fatores econômicos, (baixa do preço dos bovinos e também a substituição do produto carne por outros derivados, ex: aves e outros), estas estâncias foram vendidas para agricultores que impuseram ao município grandes áreas de terra, com as plantações de soja, e as demais fazendas para agricultores sem terra que cobiçavam terras improdutivas.

Gentílico: tupanciretanense

Formação Administrativa

Pelo Decreto Provincial nº 4.200, de 21-12-1928, foi emancipado o Município de Tupanciretã. Desmembrou-se dos municípios de Cruz Alta e Júlio de Castilhos, e originário das reduções jesuíticas. Instalação do Município em 03-01-1929.
Decreto Intendente nº1, de 03-01-1929 - Divisão do município em 5 distritos. Sendo o 1º Distrito Tupanciretã, o 2º Distrito Vinte e Um de Abril (hoje Jóia), o 3º Distrito São Bernardo, o 4º Distrito Jóia e o 5º Distrito Toropí.
A Lei Estadual nº 5.031, de 17-09-1965, anexou ao Município de São Pedro do Sul parte do Distrito de Toropi pertencente a Tupanciretã.
A Lei Municipal nº 496, de 07.10-1969, anexou ao Distrito de Jari a parte remanescente do ex-Distrito de Toropi.
Pela Lei Estadual nº 7.656, de 12.05.1982, foi criado o município de Jóia.
A Lei Municipal nº 764, de 24.05.1983, criou o Distrito de Espinilho Grande.
A Lei Municipal nº 805, de 28-11-1984, alterou a Lei Municipal n° 764 de 24-05-1983 que criou o Distrito de Espinilho Grande.
A Lei Municipal nº 1.416, de 04.03.1994, alterou os limites dos Distritos do Município.
A Lei Estadual nº 10.653, de 28.12.1995, criou o Município de Jarí.
Após a emancipação de Jarí, o Município de Tupanciretã passou a contar com dois distritos, sendo o 1º Distrito Tupanciretã e o 2º Distrito Espinilho Grande.
Assim permanecendo até dezembro de 2007.

Fonte

IBGE; www.tupancireta..rs.gov.br; www.cnm.org.br
© 2017 IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística | v4.3.21.2