Aniversários dos Municípios
< Voltar
Selecionar local
Estados
Municípios
Todos
Por estado
Selecione o estado:
  • Acre
  • Alagoas
  • Amapá
  • Amazonas
  • Bahia
  • Ceará
  • Distrito Federal
  • Espírito Santo
  • Goiás
  • Maranhão
  • Mato Grosso
  • Mato Grosso do Sul
  • Minas Gerais
  • Paraná
  • Paraíba
  • Pará
  • Pernambuco
  • Piauí
  • Rio Grande do Norte
  • Rio Grande do Sul
  • Rio de Janeiro
  • Rondônia
  • Roraima
  • Santa Catarina
  • Sergipe
  • São Paulo
  • Tocantins
0 de 5570 municípios

Nenhum município encontrado.

Nenhum município encontrado.

Porcos no frigorifico SAIC em Chapecó (SC) - 1957
Porcos no frigorífico SAIC em Chapecó (SC) - 1957
Frigorífico de suinos em Chapecó (SC) - 1957
Vista parcial de Chapecó (SC) - 1957
Vista da rua principal de Chapecó (SC) - 1957
Relevo e vegetação no município de Chapecó (SC) - 1957

História

A Região Oeste Catarinense é o espaço constituído pelo território do primitivo Município de Chapecó. Se, administrativamente, havia ali uma região, isto não ocorria sob o ponto de vista geográfico, pois o recenseamento de 1920 encontrou, naquela área, a população de 11.315 habitantes.
“Chapecó, no princípio do século, não era um espaço vivido, pois não possuía contingente humano para a vida regional.” (Peluso, 1892,). Numa retrospectiva histórica, desde os tempos do Brasil-Colônia, a região oestina foi objeto de questões de domínio de sua área: Questão de Missiones ou Questão de Palmas e Questão de Limites (Contestado) entre SC e PR, dificultando grandemente o processo efetivo de povoamento.
Os primeiros momentos referentes ao povoamento regional, estão ligados aos paulistas em sua marcha rumo ao sul do Brasil.
A criação do Município de Chapecó, em 25 de agosto de 1917, representou para a região oestina: a) a definição da região como parte integrante do contexto catarinense - nova unidade político-administrativa; b) a necessidade urgente de uma ação de colonização para a região por parte das autoridades constituídas em nível local e estadual; c) a transferência da colonização para a iniciativa particular. Assim, a colonização da região inicia-se com as primeiras manifestações no sentido de a região receber ações e empreendimentos das Companhias de Colonização, através da venda e/ou doações de terras por parte do governo.
As Companhias Colonizadoras chegam à região oestina instalando-se com capital próprio. O governo de Santa Catarina participava concedendo alguns incentivos para a iniciativa empresarial colonizadora – pela necessidade premente de ocupação da região. Inaugura-se assim a colonização sistemática da região. Dentre as Companhias de Colonização que atuaram na região do Município de Chapecó, a partir de sua criação, destacam-se a Empresa Colonizadora fundada por Ernesto Francisco Bertaso e os irmãos Agilberto Atílio e Manoel dos Passos Maia em 1918 e que se instalou no antigo povoado de Passo dos Índios (atual cidade de Chapecó) com um escritório.
Em 1923 houve a dissolução da sociedade, passando todo o ativo e passivo para Ernesto Bertaso e seus descendentes. Esta colonizadora tornou-se proprietária de vasta área e responsável por qualquer iniciativa comercial e colonizadora dentro de seu patrimônio que atingiu a casa de 2.249.259.441m². A área inicial, sob a jurisdição da colonizadora Bertaso, abrangia as fazendas: a) Campina do Gregório, com 15.000 mil alqueires, ou seja 509.234.874m², adquirida por compra em 1918 dos herdeiros da Baronesa de Limeira (SP). b) Fazendas Rodeio Bonito e Chapecó, totalizando 100.000 mil hectares, por concessão do Governo do Estado de Santa Catarina, cujo contrato data de 26 de junho de 1920. Respectivamente, a área das fazendas era de: 288.202.080m² e 538.186.742m².
Bertaso, mesmo não tendo sido o fundador de algumas povoações no Oeste catarinense, foi inegavelmente um dos principais elementos responsáveis pelo crescimento e expansão das mesmas. A empresa por ele dirigida deixou como marco os traçados da atual cidade de Chapecó e dos povoados de então, Quadro Coronel Freitas (hoje município), Fernando Machado (hoje distrito de Cordilheira Alta), Simões Lopes (hoje distrito de Coronel Freitas) e Quilombo (município). A empresa Colonizadora Bertaso construiu estradas e estabeleceu nas terras milhares de colonos procedentes de lugares diversos das antigas colônias do Rio Grande do Sul. Paulatinamente, a incorporação da região ia acontecendo. A atividade econômica do extrativismo, com a conseqüente venda da produção aos países do Prata, através do sistema de balsas, tomou conta. Graças à fertilidade de seu solo, num curto espaço de tempo a região oestina inseriu-se em um processo amplo de expansão econômica colonial do Sul do país.
Chapecó é palavra de origem Kaingang com várias interpretações: 'chapadão alto', 'chapéu feito de cipó' e 'põe no chapéu' para nativos da língua. Segundo pesquisas feitas pelo Dr. Selistre de Campos, a palavra origina-se dos termos 'echa' + 'apê' + 'gô', que na língua dos nativos significa 'donde se avista o caminho da roça'.

Formação Administrativa

Elevado à categoria de vila com a denominação de Chapecó, pela Lei Estadual n.º 1.147, de 25-08-1917. Instalado em 14-11-1917.
Pela Lei Municipal n.º 1.260, de 05-09-1919, a vila de Chapecó passou a denominar-se Xanxerê.
Nos quadros do recenseamento geral de I-IX-1920, a vila de Xanxarê é constituída do distrito sede.
Por Lei Estadual de 16-03-1923, a vila de Xanxerê passou denominar-se Rui Barbosa.
Pela Lei Municipal n.º 1645, de 03-10-1929, a vila voltou a denominar-se Xanxerê.
Pelo Decreto n.º 100, de 09-04-1931, a sede do município passou a denominar-se Passo dos Índios ou Passo Bormann.
Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o município tem sua sede localizada na vila de Passo dos Índios é constituído de 13 distritos: Passo dos Índios, Abelardo Luz, Barracão, Campo Erê, Caxambu, Cascalho, Faxinal dos Guedes, Guatambu, Mondaí, Itapiranga, São Domingos, Xaxim e Xanxerê.
Pelo Decreto-lei Estadual n.º 86, de 31-03-1938, o município de Passo dos Índios voltou a denominar-se Chapecó, o distrito de Barracão a denominar-se Dionísio Cerqueira e o distrito de Cascalho a denominar-se Pssarinhos.
Pelo Decreto-lei Estadual n.º 238, de 01-12-1938, é criado o distrito de São Carlos com território desmembrado do distrito de Passarinho (ex-Cascalho) e anexado ao município de Chapecó.
No quadro fixado para vigorar no período de 1944-1948, o município é constituído de 14 distritos: Chapecó, Abelardo Luz, Campo Êre, Caxambu, Dionísio Cerqueira, Faxinal dos Guedes, Guatambu, Itapiranga, Mondaí, Passarinhos, São Carlos, São Domingos, Xanxerê e Xaxim.
Pela Lei Estadual n.º 247, 30-12-1948, o distrito de Passarinhos passou a denominar-se Palmitos.
Pela Lei Municipal n.º 25 - A, de 21-12-1949, é criado o distrito de São Miguel do Oeste, com território desmembrado dos distritos de Dionísio Cerqueira, Itapiranga e Mondaí e anexado ao município de Chapecó.
Em divisão territorial datada de 1-VII-1950, o município é constituído de 16 distritos: Chapecó, Abelardo Luz, Campo Erê, Caxambu, Descanso, Dionísio Cerqueira, Faxinal dos Guedes, Guatambu, Itapiranga, Mondaí, Palmitos (ex-Passarinhos), São Carlos, São Domingos, São Miguel do Oeste, Xanxerê e Xaxim.
Pela Resolução s/n.º da Câmara Municipal, é criado o distrito de Águas de Chapecó, desmembrado do distrito de Caxambu e anexado ao município de Chapecó.
Pela Lei Municipal n.º 7, de 18-11-1950, é criado o distrito de Descanso com território desmembrado do distrito de Mondaí e Itapiranga e anexado ao município de Chapecó.
Pela Lei Municipal n.º 40, de 30-11-1950, aprovado pela Lei Estadual n.º 26, de 16-10-1951, é criado o distrito de Coronel Freitas e anexado ao município de Chapecó.
Pela Lei Municipal n.º 23, de 22-08-1951 e Lei Estadual n.º 50, de 18-07-1952, é criado o distrito de São Lourenço, desmembrado do distrito de Campo Erê e anexado ao município de Chapecó.
Pela Lei Estadual n.º 133, de 30-12-1953, são desmembrados do município de Chapecó os distritos Xanxerê, Abelardo Luz e Faxinal dos Guedes, para formar o novo município de Xanxerê. E ainda pela mesma Lei são desmembrados do município de Chapecó os distritos de Descanso, Dionísio Cerqueira, Itapiranga, Mondaí, Palmitos, São Carlos, São Miguel do Oeste e Xaxim, todos elevados à categoria de município.
Em divisão territorial datada de 1-VII-1955, o município é constituído de 7 distritos: Chapecó, Águas de Chapecó, Campo Erê, Caxambu, Coronel Freitas, Guatambú e São Lourenço.
Pela Resolução n.º 2, de 03-03-1956, é criado o distrito de Quilombo, desmembrado dos distritos de Coronel Freitas e São Lourenço e anexado ao município de Chapecó.
Pela Lei Municipal n.º 3, de 10-08-1956, é criado o distrito de Itaberaba, desmembrado dos distritos de Guatambú e Caxambu e anexado ao município de Chapecó.
Pela Lei Municipal n.º 4, de 11-05-1957, é criado o distrito de Cairu, desmembrado o distrito de Itaberaba e anexado ao município de Chapecó.
Pela Lei Municipal n.º 5, de 11-05-1957, é criado o distrito de Marechal Bormann e anexado ao município de Chapecó.
Pela Lei Municipal n.º 6, de 11-05-1957, é criado o distrito de Serrinha e anexado ao município de Chapecó.
Pela Lei Estadual n.º 348, de 21-06-1958, são desmembrados de Chapecó os distritos de Campo Erê e São Lourenço do Oeste (ex-São Lourenço), ambos elevados à categoria de município.
Em divisão territorial datada de 1-VII-1960, o município é constituído de 9 distritos: Chapecó, Cairu, Caxambu, Coronel Freitas, Guatambú, Itaberaba, Marechal Bormann, Quilombo e Serrinha.
Pela Lei Estadual n.º 763, de 06-10-1961, são desmembrados do município de Chapecó os distritos de Coronel Freitas e Cairu, para formar o novo município de Coronel Feitas. Sob a mesma Lei, é desmembrado do município de Chapecó o distrito de Quilombo. Elevado à categoria de município.
Pela Lei Estadual n.º 865, de 14-12-1962, é criado o distrito de Figueira e anexado ao município de Chapecó.
Pela Lei Estadual n.º 866, de 14-12-1962, é desmembrado do município de Chapecó o distrito de Caxambu. Elevado à categoria de município com a denominação de Caxambu do Sul.
Pela Lei Estadual n.º 881, de 05-04-1963, é criado o distrito de Cachoeira Alta e anexado ao município de Chapecó.
Em divisão territorial datada de 31-XII-1963, o município é constituído de 7 distritos: Chapecó, Cordilheira Alta, Figueira, Gôio-en, Guatambú, Itaberaba, Marechal Bormann.
Pela Lei Estadual n.º 4.130, de 26-01-1968, é criado o distrito de Alto da Serra e anexado ao município de Chapecó.
Em divisão territorial datada de 1-I-1979, o município é constituído de 8 distritos: Chapecó, Alto da Serra, Cordilheira Alta, Figueira, Gôio-en, Guatambú, Itaberaba, Marechal Bormann.
Pela Lei Estadual n.º 8.557, de 30-03-1992, é desmembrado do município de Chapecó o distrito de Cordilheira Alta. Elevado à categoria de município.
Pela Lei Estadual n.º 8.482, de 12-12-1991, é desmembrado do município de Chapecó o distrito de Guatambú. Elevado à categoria de município.
Pela Lei Estadual n.º 8.354, de 26-09-1991, é desmembrado do município de Chapecó o distrito de Itaberaba. Elevado à categoria de município com a denominação de Nova Itaberaba.
Em divisão territorial datada de 1-VI-1995, o município é constituído de 5 distritos: Chapecó, Alto da Serra, Figueira, Gôio-en, Marechal Bormann.
Assim permanecendo em divisão territorial datada em 2003.

Fonte

Chapecó (SC). Prefeitura. 2015. Disponível em: http://www.chapeco.sc.gov.br. Acesso em: jan. 2015.
© 2017 IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística | v4.3.21