Aniversários dos Municípios
< Voltar
Selecionar local
Estados
Municípios
Todos
Por estado
Selecione o estado:
  • Acre
  • Alagoas
  • Amapá
  • Amazonas
  • Bahia
  • Ceará
  • Distrito Federal
  • Espírito Santo
  • Goiás
  • Maranhão
  • Mato Grosso
  • Mato Grosso do Sul
  • Minas Gerais
  • Paraná
  • Paraíba
  • Pará
  • Pernambuco
  • Piauí
  • Rio Grande do Norte
  • Rio Grande do Sul
  • Rio de Janeiro
  • Rondônia
  • Roraima
  • Santa Catarina
  • Sergipe
  • São Paulo
  • Tocantins
0 de 5570 municípios

Nenhum município encontrado.

Nenhum município encontrado.

[Habitação na estrada Joaçaba / Concórdia (SC)] - 1966
Caminhão transportando porcos para a engorda : município de Concórdia - 1966
Rua comercial na cidade de Concórdia (SC) - 1966
[Moinho de trigo Concórdia, situado no município de Concórdia (SC)] - 1966
Vista da fábrica de produtos Sadia em Concórdia (SC) - 1966
Vista da fábrica de produtos Sadia em Concórdia (SC) - 1966

História

A colonização do município de Concórdia está fortemente ligada à ocupação e colonização do Oeste Catarinense.
O atual município e áreas próximas foram habitados pelos índios Tupis-Guaranis que, a partir do século XVIII, foram desaparecendo da região. Fixados em zonas fronteiriças com o Estado do Rio Grande do Sul, ramificando-se pelo interior de Concórdia e toda a região do antigo Contestado, a população nativa marcou significativamente sua presença no Oeste Catarinense. Os primeiros contatos entre brancos e índios não foram amistosos. Os atritos tiveram como principal causa o medo dos índios, das armas de fogo dos bugreiros, que também temiam o ataque dos índios. Estes, por sua vez, fugiram, avançando o território argentino e outros, ainda encurralados, foram aprisionados como escravos ou liquidados.
A fixação dos brancos com a criação de suas fazendas determinou o afastamento dos poucos índios que restavam. Resignados a impotentes, procuraram formar redutos em regiões distantes.
A colonização de Concórdia teve seu início definitivo no ano de 1925, mostrando a existência de pequenos agrupamentos indígenas, com 15 a 20 elementos, que viviam longe dos brancos, em pequenas aldeias.
A construção do trecho catarinense da Estrada de Ferro São Paulo - Rio Grande, pela 'Brasil Railway Co.', iniciando em 1908 e concluído em 1910, foi preponderante para o povoamento do Meio Oeste Catarinense.
Com o objetivo de promover a colonização dessas terras, a Brazil Railway Co. constituiu uma empresa subsidiária, a Brazil Development and Colonization Company, com sede em Portland, nos Estados Unidos, autorizada a funcionar no Brasil, a partir de 13 de março de 1912. Nesta mesma época chegam os primeiros imigrantes e fundam uma pequena vila no local onde já residia o caudilho José Fabrício das Neves, considerado o pioneiro da colonização.
Em 1925, a colônia conhecida até então pelo nome de Queimados, passa a ser chamada de Colônia Concórdia, por iniciativa da Sociedade Territorial Mosele, Eberle & Ahrons Ltda.
Com a aceleração no desenvolvimento da colonização, os problemas gerados pela dependência de Cruzeiro (hoje Joaçaba) tornaram-se mais evidentes. Havia também muito descontentamento pelo fato de os impostos ali gerados serem recolhidos sem que se observasse algum retorno significativo. O povo, liderado pela Companhia Mosele, fez um abaixo-assinado pedindo a criação do Distrito.
Percebendo o crescente desenvolvimento desse núcleo colonial, o prefeito de Cruzeiro, Coronel Passos Maia, embora relutante diante do pedido que poderia significar o enfraquecimento de seus limites de influência, concluiu que tal aspiração era justa e poderia resultar positivamente tanto para o povo como ao Município.
Assim, em 1927, a Colônia Concórdia foi elevada à categoria de Distrito. A solenidade de instalação ocorreu a 25 de setembro do mesmo ano.

Formação Administrativa

Distrito criado com a denominação de Concórdia, pela Lei Municipal n.º 82, de 10 ou 11-08-1927, sendo desmembrado dos distritos de Bela Vista, Itá e Irani. Subordinado ao município de Cruzeiro.
Em divisão administrativa referente ao ano de 1933 o distrito de Concórdia figura no município de Cruzeiro.
Elevado à categoria de município com a denominação de Concórdia, pela Lei Estadual n.º 635, de 12-07-1934, sendo desmembrado de Cruzeiro. Sede no antigo distrito de Concórdia. Constituído de 4 distritos: Concórdia, Bela Vista, Ipira e Itá. Instalado em 29-07-1934.
Pelo Decreto-lei Estadual n.º 86, de 31-03-1938, o distrito de Bela Vista passou a denominar-se Esteves Junior.
Pelo Decreto-lei Estadual n.º 238, de 01-12-1938, são criados os distritos de Mauá e Rio Branco e anexados ao município de Concórdia.
No quadro fixado para vigorar no período de 1939 a 1943, o município de Concórdia é constituído de 6 distritos: Concórdia, Esteves Júnior, Ipira, Itá, Mauá e Rio Branco.
Pelo Decreto-lei Estadual n.º 941, de 31-12-1943, o distrito de Mauá passou a denominar-se Arabutã e o distrito de Rio Branco passou a denominar-se Engano. Sob o mesmo Decreto, foi transferido o distrito de Ipira, do município de Concórdia, para o município de Campos Novos. Foram ainda criados os distritos de Serra e Uruguai.
No quadro fixado para vigorar no período de 1944 a 1948, o município é constituído de 7 distritos: Concórdia, Esteves Junior, Itá, Arabutã ex-Mauá, Engano, Seara e Uruguai.
A Lei Estadual n.º 247, de 30-12-1948, transfere os distritos de Esteves Junior e Uruguai, do município de Concórdia para o município de Piratuba. Sob a mesma Lei, o distrito de Engano passou a denominar-se Ipumirim.
Em divisão territorial datada de 1-VII-1950 o município é constituído de 5 distritos: Concórdia, Itá, Arabutã, Seara e Uruguai.
A Lei Estadual n.º 133, de 30-12-1953, desmembra do município de Concórdia os distritos de Seara e Ita, para formarem o novo município de Seara.
Pela Lei Municipal n.º 183, de 19-01-1953, é criado o distrito de Volta Grande e anexado ao município de Concórdia.
Em divisão territorial datada de 1-VII-1955, o município é constituído de 4 distritos: Concórdia, Arabutã, Ipumirim e Volta Grande.
Pela Lei Municipal n.º 1, de 08-02-1958, é criado o distrito de Lindoia e anexado ao município de Concórdia.
Em divisão territorial datada de 1-VII-1960, o município é constituído de 5 distritos: Concórdia, Urabutã, Ipumirim, Lindóia e Volta Grande.
Pela Lei Estadual n.º 877, de 29-03-1963, é desmembrado do município de Concórdia o distrito de Ipumirim, elevado à categoria de município.
Pela Lei Estadual n.º 1.047, de 19-09-1966, é criado o distrito de Engenho Velho e anexado ao município de Concórdia.
Pela Lei Estadual n.º 1.048, de 19-09-1966, é criado o distrito de Presidente Kennedy e anexado ao município de Concórdia.
Em divisão territorial datada de 1-I-1979, o município é constituído de 6 distritos: Concórdia, Arabutã, Engenho Velho, Lindóia, Presidente Kennedy e Volta Grande.
A Lei Estadual n.º 7.578, de 26-04-1989, desmembra do município de Concórdia o distrito de Lindoia do Sul, elevado à categoria de município.
Pela Lei n.º 8.474, de 12-12-1991, é desmembrado do município de Concórdia o distrito de Arabutã, elevado à categoria de município.
Pela Lei Municipal n.º 2.668, de 09-12-1992, o distrito de Volta Grande passou a denominar-se Alto Bela Vista.
Pela Lei Complementar n.º 91, de 08-07-1994, é criado o distrito de Planalto e anexado ao município de Concórdia.
Pela Lei n.º 116, de 27-06-1996, é criado o distrito de Tamanduá e anexado ao município de Concórdia.
Pela Lei n.º 119, de 16-08-1996, é criado o distrito de Santo Antônio e anexado ao município de Concórdia.
Em divisão territorial datada de 1-VI-1995 o município é constituído de 4 distritos: Concórdia, Engenho Velho, Presidente Kennedy e Alto Bela Vista.
A Lei Estadual n.º 9.861, de 04-07-1995, desmembra do município de Concórdia o distrito de Alto Bela Vista, elevado à categoria de município.
Em divisão territorial datada de 2003 o município é constituído de 6 distritos: Concórdia, Engenho Velho, Planalto, Presidente Kennedy, Santo Antônio e Tamanduá.
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2017.

Fonte

Concórdia (SC). Prefeitura. 2015. Disponível em: http://www.concordia.sc.gov.br/#!/tipo/pagina/valor/2. Acesso em: ago. 2015.
© 2017 IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística | v4.3.16.1