Aniversários dos Municípios
< Voltar
Selecionar local
Estados
Municípios
Todos
Por estado
Selecione o estado:
  • Acre
  • Alagoas
  • Amapá
  • Amazonas
  • Bahia
  • Ceará
  • Distrito Federal
  • Espírito Santo
  • Goiás
  • Maranhão
  • Mato Grosso
  • Mato Grosso do Sul
  • Minas Gerais
  • Paraná
  • Paraíba
  • Pará
  • Pernambuco
  • Piauí
  • Rio Grande do Norte
  • Rio Grande do Sul
  • Rio de Janeiro
  • Rondônia
  • Roraima
  • Santa Catarina
  • Sergipe
  • São Paulo
  • Tocantins
0 de 5570 municípios

Nenhum município encontrado.

Nenhum município encontrado.

Fotos

Trabalhador de uma salina em Nossa Senhora do Socorro (SE) - jan. 1952
Moinho de vento nas salinas de Nossa Senhora do Socorro (SE) - jan. 1952
Salinas em Nossa Senhora do Socorro (SE) - jan. 1952
Igreja Matriz Nossa Senhora do Socorro : Nossa Senhora do Socorro, SE - [19--]
Igreja Matriz Nossa Senhora do Socorro : Nossa Senhora do Socorro, SE - [19--]
Prefeitura Municipal : Nossa Senhora do Socorro, SE - [19--]
Veja mais fotos

História

A histografia sergipana nos mostra que o território de Sergipe era habitado por diversas tribos indígenas. Mott (1986) registra a presença de brancos, pardos, negros e índios na etnia sergipana, no século XVIII. Ressalta-se que cada um desses grupos tem suas peculiaridades culturais e contribuíram para a formação histórica da população dos diversos municípios sergipanos. Segundo indicações de Góis (1991), o espaço geográfico em que hoje se situam alguns municípios que faziam parte da micro-região da Cotinguiba (atual Litoral Sul), no século XVI, era habitado por índios da tribo tupinambá.
Provavelmente a ocupação de Nossa Senhora do Socorro tenha ocorrido por volta do mesmo século, período em que se iniciou a colonização das terras da capitania de Sergipe Del Rey e fase em que a Coroa Portuguesa determinou o avanço da colonização sobre a capitania de Sergipe, em 1575 (OLIVA: 1991).
Por outro lado, registra-se que, no ano de 1829, época em que Nossa Senhora do Socorro já era freguesia, ainda havia aldeias indígenas nessas mesmas localidades (MOTT. 1986).
O espaço geográfico que hoje compreende a cidade de Nossa Senhora do Socorro, desde os primórdios de sua povoação, passou por mudanças de caráter religioso e jurídico similares às diversas cidades brasileiras. Neste sentido, a elevação do referido município às categorias de freguesia, vila e cidade, obedeceram a interesses jurídicos e de ordem religiosa.
No século XVIII, a cidade formava um núcleo demográfico de aproximadamente três mil habitantes, tendo por atividade econômica a plantação de mandioca e cana-de-açúcar. Esse núcleo foi elevado à categoria de freguesia em 1718, por decisão do Arcebispo da Bahia Dom Sebastião Monteiro da Vide, passando a ser denominada Nossa Senhora do Socorro da Cotinguiba, e pertencendo, nesse período, à vila de Santo Amaro das Brotas.
A probabilidade de um crescimento demográfico da freguesia e a falta de uma capela impossibilitava o pároco de realizar um atendimento regular e eficiente aos fieis, impedindo-o de exercer suas atividades eclesiásticas na freguesia de origem e obrigando-o a se deslocar para outras localidades.
Com a criação da vila de Laranjeiras, em 1832, o território da freguesia de Nossa Senhora do Socorro da Cotinguiba, passou a fazer parte da nova vila. Este fato levou os socorrenses a protestarem e a lutar por sua autonomia político-administrativa. Conseqüentemente esta autonomia daria à freguesia sua elevação à categoria de vila.
A condição de vila foi alcançada em 1835, período marcado pela sua emancipação política e pelo conseqüente desligamento da vila de Laranjeiras.
No Início do século XVIII, a freguesia de Nossa Senhora do Socorro da Cotinguiba tinha como monumento religioso uma capela cujo nome era o mesmo da vila. Porém só em 1864, a capela tornou-se Matriz.
Frisa-se, no entanto, que mesmo conquistando sua emancipação política, foi após a edificação da Matriz que Socorro conseguiu sua autonomia religiosa, ficando reconhecida como freguesia pelo estatuto religioso e como vila pelo estatuto político-administrativo.
A igreja Matriz de Nossa Senhora do Socorro não dispõe de documentação sobre a sua construção. Na soleira da sacristia, à direita, há uma inscrição com a data de 1714. E, segundo Germain Bazin, a igreja é um exemplar tardio do estilo barroco.

Formação Administrativa

Distrito criado, com a denominação de Nossa Senhora do Socorro de Cotiguiba, pela Resolução Provincial n.º 701, de 07-07-1864.
Elevado à categoria de vila com a denominação de Socorro, pela Lei Provincial de 14-02-1835.
Elevado novamente à categoria de vila com a denominação de Socorro, pela Lei Provincial n.º 792, de 14-03-1868, sendo desmembrado do município de Aracaju. Sede no atual distrito de Socorro e constituído do distrito sede.
Em divisão administrativa referente ao ano de 1911 o município é constituído do distrito sede. Assim permanecendo em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937.
Pelo Decreto-lei Estadual n.º 377, de 31-12-1943, revogado pelo Decreto n.º 533, de 07-12-1944, o município de Socorro passou a denominar-se Cotiguiba.
No quadro fixado para vigorar no período de 1944 a 1948 o município de Cotiguiba é constituído do distrito sede. Assim permanecendo em divisão territorial datada de 1-VII-1950.
Pela Lei Estadual n.º 554, de 06-02-1954, o município de Cotiguiba volta a denominar-se Nossa Senhora do Socorro.
Em divisão territorial datada de 1-VII-1960 o município de Nossa Senhora do Socorro é constituído do distrito sede.
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2014.

Fonte

Nossa Senhora do Socorro (SE). Prefeitura. 2015. Disponível em: http://www.socorro.se.gov.br/a-cidade. Acesso em: fev. 2015.
© 2017 IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística | v4.3.40